29 outubro 2008

PS recusa criminalizar 'falsos' recibos verdes

O Partido Socialista chumbou hoje, 29 de Outubro, uma proposta de alteração ao Código de Trabalho que previa a criminalização do recurso a falsos recibos verdes.

Em contrapartida, foi aprovado o fim do princípio do tratamento mais favorável do/a trabalhador/a, que impunha a impossibilidade de serem impostas a um/a trabalhador/a cláusulas ou regras piores do que as consagradas na lei geral

8 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez o Partido Socialista foge as suas responsabilidades, meus senhores Eu trabalho para a Segurança Social como Ama, sou obrigada a cumprir com uma data de obrigações a mais de 16 anos que passo estes recibos a este organismo. Como poderia o prevericador Criminalizar os outros e não Uma Entidade estatal.

Ama de Viana Do Castelo

P.s. O PS não vai ter maioria absoluta a minha custa já me enganou uma vez.

Anónimo disse...

O PS (ou qualquer outro partido no poder) não pretende assumir a responsabilidade das grandes culpas directas do Estado por esta situação de precariedade num ano de eleições.

Entalados mais uns anos...

Anónimo disse...

Não consigo ver melhorias nesta situação.
Para os patrões é um verdadeiro e lucroso benefício.
Se por um lado o Estado é lesado em milhares ou milhões de euros de descontos que não entram nos cofres, por empresas que não descontam (por pura ganância) e empregados que também não (por uma questão de sobrevivência), a verdade é que também nada faz para alterar isto. Pois o Estado é uma marioneta dos patrões que enchem os bolsos e que são os verdaeiros comandantes deste país.
Basta olhar, ler, observar e concluir que não parám de aumentar os recibos verdes, os falsos "estágios", o trabalho temporário que dura uma vida, os ordenados de 500€. Transformámo-nos numa gerção de frustrados, que em tempos fomos "rascas" e agora vivemos à rasca e desesperados o dia a dia sem qualquer esperança.
Mudará algum dia? Como?
Não tenho respostas.

Anónimo disse...

É necessário enviar mensagens de correio electrónico aos deputados (agora que o OE/2009 está para ser aprovado) e governantes, para os sensibilizar para este problema cada vez mais grave, e mostrar que nós não estamos dispostos a pagar pela falta de coragem dos vários governos nem as crises dos outros. E que fiquem a saber que nós não vamos ser por muito mais tempo os explorados, os espolidos deste País, pelas gerações que nos antecederam.
m

Anónimo disse...

Sem querer fazer propaganda política, acho que nas próximas eleições devíamos votar em partidos da minoria em vez de votarmos sempre nos mesmos, que só arrastam o nosso país pa a miséria!

VERÓNICA disse...

será que o governo é tão cego que não vê a precariedade que está à sus volta? Parece impossivel que não haja trabalho para jovens em Portugal. E uma situação que ninguém comenta mas é autêntica (meu caso), é que como o meu primeiro contrato de trabalho era a prazo, agora, desempregada, não consigo emprego porque todas as empresas querem jovens de primeiro emprego para obterem os beneficios dessa situação. E agora? só porque já não têm esse beneficio comigo, já não vou trabalhar mais em portugal??? Vou-me ficar com apenas dois anos de descontos? Como eu gostaria de falar com o líder do PS...

Anónimo disse...

será que o governo é tão cego que não vê a precariedade que está à sus volta? Parece impossivel que não haja trabalho para jovens em Portugal. E uma situação que ninguém comenta mas é autêntica (meu caso), é que como o meu primeiro contrato de trabalho era a prazo, agora, desempregada, não consigo emprego porque todas as empresas querem jovens de primeiro emprego para obterem os beneficios dessa situação. E agora? só porque já não têm esse beneficio comigo, já não vou trabalhar mais em portugal??? Vou-me ficar por apenas dois anos de descontos? Como eu gostaria de falar com o líder do PS...

Anónimo disse...

Isto só lá vai com o Comunismo!

Nas próximas eleições garanto que o meu voto vai ou para o BE (Bloco de Esquerda) ou para o PCP (Partido Comunista Português).

Com "laranjas" podres e "rosas" murchas não chegamos a lado nenhum...

Tenho 27 anos de idade (estou desempregado) a minha companheira na qual quiz fazer uma vida em comum tem 26 anos e está também desempregada á mais de UM ano e MEIO sem possibilidade de arranjar trabalho.

Já recebemos propostas de trabalho, mas não entro para firmas onde o que conta é a Precariedade no trabalho (Recibos Verdes, contratos de 15 em 15 dias, etc...)

Fica o aviso, com PSD ou PS está mais que visto que não nos resolvem nada! Está na altura de alterar para os mais "fracos".

Poderá ser que isso resolva algo (ou não).