30 Junho 2011

MEDIDAS DO GOVERNO: corte no subsídio de Natal


O Governo anunciou que os portugueses vão pagar um imposto extraordinário, de valor equivalente a 50% do subsídio de Natal, acima do salário mínimo nacional, que será aplicado só em 2011.

A medida foi anunciada ontem durante a apresentação do Programa de Governo, na Assembleia da República, e deverá render cerca de 800 milhões de euros aos cofres do Estado.

Os sacrifícios são pedidos a três milhões de contribuintes. De fora ficam meio milhão de pensionistas e 1,4 milhões de sujeitos passivos com menores rendimentos.


Pode conhecer o valor do corte que vai ter no seu subsídio de Natal aqui.

Notícia na íntegra no Diário Económico.

5 comentários:

L.Alves disse...

E em relação a quem trabalha a recibos verdes, que não tem direito a esses "luxos" (até parece que são luxos e não direitos que deveriamos ter), já alguém consegui descobrir se vão ser afectados? Não temos Subsídio de natal, mas como o "nosso Primeiro" fez questão de frisar, não será sobre o Subsídio mas sobre o "equivalente" ao Subsídio, o cálculo como será feito? Farão essa retenção quando calcularem os reembolsos do IRS? Corremos esse risco, não?!

Cátia disse...

O problema é isso de dizer que no subsídio de Natal é só para ser mais bonito... a nós, recibos verdes, calha-nos o mesmo, ou pior, já que a nossa situação já é de si bastante má.

Anónimo disse...

Sou um falso recibo verde e sempre fui.
Desconto mensalmente para a Segurança Social cerca de 24% do valor que recebo da entidade patronal. Retenho na fonte mais 21,5%. Contas feitas, todos os meses entrego directamente ao Estado 45,5% do meu falso salário.
Não tenho direito a férias, não recebo Subsídio de Férias nem de Natal.
Alguém me explica como vou pagar um imposto de um rendimento que não tenho? De acordo com a tabela, em Dezembro (já sem tenho dinheiro extra para bacalhau e presentes) vou pagar ao Estado mais 17,7%!
Vou entregar directamente ao Estado 63,20% do meu falso salário! Isso significa que vou ter 276 euros para sobreviver! Pagar renda, luz, água, comida e transporte para me deslocar para o meu falso emprego!
É esta a justiça social que o Sr. Ministro Mota Soares apregoa?
Estou farta que digam que os Recibos Verdes fogem aos impostos! Sinto na pele todos os meses a carga fiscal portuguesa e nada me defende! Porque preciso de trabalhar...

Cátia disse...

Segundo a resposta que me deram nos Precários Inflexíveis: a taxa será aplicada sobre 1/14 do rendimento anual (50% do valor acima de 485eur).
Segundo Mota Soares assim é que é justo, porque senão os profissionais liberais (dando como exemplo médicos e advogados) não pagariam.
Pena é que não haja vontade de ir à raiz do problema: os falsos! Assim é mais fácil, comemos todos e pronto.

Anónimo disse...

O mais certo é que os trabalhadores independentes terão de pagar esse imposto extraordinário através de um pagamento por conta adicional. Ainda não se sabe ao certo como serão feitos os cálculos e quando serão aplicados.