27 abril 2008

O FERVE e os PI's no Prós e Contras

A RTP 1 emite amanhã, dia 28 de Abril, o programa ‘Prós e Contras’, onde se debaterão as propostas de revisão do código de trabalho.

O Ministro do Trabalho, Vieira da Silva, será um dos convidados deste programa que contará também com a participação do FERVE – Fartos/as d’Estes Recibos Verdes e dos/as Precári@s Inflexíveis.

14 comentários:

Indy_Jones disse...

BOA SORTE, FERVE!

Anónimo disse...

força FERVE! com a atenção da comunicação social talvez se consiga algo

José disse...

Estou a ver, muito bem.

Anónimo disse...

Força André!!! Gostei de te ouvir.

Jorge (Beja)

kiduchinha disse...

Força FERVE!!! estou com vocês e também sei bem do que falam, pois também sou psicóloga e trabalho na área de formação e para o sector público a recibos verdes.

Pedro Silveira Ramos disse...

A propósito de recibos verdes, estive oito anos a trabalhar como coordenador de natação na piscina de Linda-a-Velha em Oeiras( entre 1997 e 2005) cujo administrador era o Sr. Vicente Moura, actual presidente do Comité Olímpico.Fui despedido sem justa causa e sem qualquer explicação por escrito e impedido de trabalhar por dois agentes da PSP da esquadra de Miraflores. Pus o caso em tribunal e até hoje não obtive, nem eu nem o meu advogado, nenhuma resposta por parte do ministério da Aministração interna a quem participei o caso.
Cumpria um horário de trabalho estabelecido pela entidade patronal e durante vários anos trabalhei dez horas por dia, a ministrar aulas de natação.Tenho todos os recibos verdes passados sempre com o mesmo montante ao fim do mês e provas de tudo o que afirmo.
A decisão do tribunal ao fim de três anos é de arquivar o caso atribuindo-me as custas do processo, alegando que a empresa estava extinta quando pus o processo.
Nunca fui ouvido em qualquer audiência pois apesar de ter alertado o tribunal de trabalho assim que fui despedido assim como o IDICTE onde me aconselharam arranjar um advogado só uma vez fui chamado a tribunal e não abri a boca nem o meu advogado.
Onde está a lei ?
Quem a cumpre ?
Devido á instabilidade que tudo isto provocou, a minha vida mudou e hoje estou separado da minha família, mulher e dois filhos, continuo sem trabalho estável sem protecção social, considero-me em pior situção que um estrangeiro no meu próprio país.
Neste país não há justiça e esse é o grande problema.
è tudo tráfico de influências e os grandes nunca são penalisados.

Pedro Silveira Ramos disse...

A propósito de recibos verdes, estive oito anos a trabalhar como coordenador de natação na piscina de Linda-a-Velha em Oeiras( entre 1997 e 2005) cujo administrador era o Sr. Vicente Moura, actual presidente do Comité Olímpico.Fui despedido sem justa causa e sem qualquer explicação por escrito e impedido de trabalhar por dois agentes da PSP da esquadra de Miraflores. Pus o caso em tribunal e até hoje não obtive, nem eu nem o meu advogado, nenhuma resposta por parte do ministério da Aministração interna a quem participei o caso.
Cumpria um horário de trabalho estabelecido pela entidade patronal e durante vários anos trabalhei dez horas por dia, a ministrar aulas de natação.Tenho todos os recibos verdes passados sempre com o mesmo montante ao fim do mês e provas de tudo o que afirmo.
A decisão do tribunal ao fim de três anos é de arquivar o caso atribuindo-me as custas do processo, alegando que a empresa estava extinta quando pus o processo.
Nunca fui ouvido em qualquer audiência pois apesar de ter alertado o tribunal de trabalho assim que fui despedido assim como o IDICTE onde me aconselharam arranjar um advogado só uma vez fui chamado a tribunal e não abri a boca nem o meu advogado.
Onde está a lei ?
Quem a cumpre ?
Devido á instabilidade que tudo isto provocou, a minha vida mudou e hoje estou separado da minha família, mulher e dois filhos, continuo sem trabalho estável sem protecção social, considero-me em pior situção que um estrangeiro no meu próprio país.
Neste país não há justiça e esse é o grande problema.
è tudo tráfico de influências e os grandes nunca são penalisados.

Anónimo disse...

Estiveste muito bem André!

Um abraço,
Cristina

Luis disse...

É um programa mainstream que serve e promove quem já está instalado .
É muito interessante ouvir a opinião ( até esgotar ) de quem tem bons empregos e boas reformas e os outros ( os de recibos verdes e afins ) falam cinco minutos em três horas . Não há pachorra !

Anónimo disse...

força para o vosso movimento. façam muito barulho e tentem fazer tudo para impedir que se legalize a ilegalidade dos falsos recibos verdes. só um ministro e um governo muito cara de pau e defensor de interesses próprios (ou próximos) para achar que temos que defender os "coitadinhos" que passam recibos verdes verdadeiros, ou seja, os chamados biscateiros (com todo o respeito)... e os outros, aqueles que são trabalhadores de alguém e recebem o único salário por essa via!? resolve-se a ilegalidade com 5% de desconto por parte das empresas!? será que tudo o que é lei deixa de ser menos lei se pagarmos para isso?! muito cuidado com os valores que transparecem em propostas como estas... estamos a ficar muito fartos com tanta falta de bom senso e respeito (já agora)!!!

Anónimo disse...

Penso que as pessoas ainda não se aperceberam que deixamos de poder descontar pelo escalão mínimo da segurança social, passando a ser OBRIGATÓRIO efectuar o desconto sobre 70% do valor do recibo passado!!! Ainda vamos ganhar menos!!!!

Once disse...

Infelizmente as respostas do ministro não foram muitas...

miguelrr disse...

É estranho que o pessoal não se tenha apercebido da forma como os representantes dos trabalhadores a recibo verde foram tratados neste programa. É impressão minha ou todos os intervenientes no dito programa que queriam aprofundar a situação dos ditos recibos, abandonaram o programa? Não tenho por hábito ver tal programa, mas como o assunto me diz directamente respeito, estive atento, e para além da demagogia politica do costume do fala, fala, e não se diz nada, achei a atitude da moderadora,horrível! Isto para não dizer outra coisa mais grave, já que esta é directa ou indirectamente, trabalhadora do Estado.

3drice disse...

Sou um técnico de multimédia e novos media, que tem vindo a trabalhar para varias empresas, mas estas sempre se chegam a frente com esta coisa chamada recibo verde, sempre aceitei para poder trabalhar e ganhar experiência. Tive a oportunidade de trabalhar para uma grande empresa de IT em Portugal, a Novabase, e quando entrei para esta, deram a proposta de 3 meses à experiência, e estágio profissional, mas acabei por ficar 10 meses à recibos verdes e sem o tal estágio profissional. Durante este período sempre me indicaram para passar os recibos com valores diferentes para disfarçar a situação de empregado a full time. Passados esses 10 meses, fui dispensado, mas, consegui reunir provas e condições que era um trabalhador dependente, que trabalhava 8 horas diárias, recebia ordens, e passava recibos verdes.
Com as tais provas, decidi apresentar um processo no tribunal de trabalho, em que expunha o caso, juntamente com as provas. Mas, neste departamento do tribunal de trabalho, viram o meu caso, e disseram que podia abrir o processo, mas este iria ficar sem efeito e não era prioritário, porque já não era trabalhador dessa empresa.
Pois o que eu queria era só que actuassem contra esta empresa, e como português, quis que houvesse justiça, mas isto nunca há de acontecer num pais, onde a lei não funciona, o estado não quer saber, as empresas apenas apresentam cada vez mais lucros, e eu como tenho oportunidade de emigrar, apenas penso que quem está mal que se mude, e assim será mais um jovem português a deixar este pais, em que muitos profissionais sofrem e não têm muito por onde escolher. Vejo cada vez mais que os emigrantes em Portugal, estão melhor que os próprios portugueses e o pior cego, è aquele que não quer ver.