08 Dezembro 2010

GOVERNO QUER INDEXAR SALÁRIOS À PRODUTIVIDADE


O Diário de Notícias revela hoje a proposta que o Governo irá apresentar aos sindicatos e que visa que os contratos passem a estipular que o salário se encontra directamente relacionado com a produtividade ou a qualidade do trabalho.

100 anos depois, o
Taylorismo parece regressar na sua pior versão: esta proposta equipara pessoas a máquinas numa linha de montagem, cujo único objectivo é produzir e obter números para satisfazer a governação ou os patrões.


O FERVE considera esta proposta insultuosa além de constituir um retrocesso histórico que não pode ser descurado: abrindo-se esta porta, seguir-se-á o quê? Deixamos de ter licença de maternidade? Deixamos de ter direito a baixa médica quando estamos doentes? Passamos a trabalhar 12 horas por dias? A idade para começar a trabalhar diminui? Sindicalistas e activistas são perseguidos?
Paira a sensação de que caminhamos em direcção às "sweatshops" da Índia e da China...

São estes os nossos tempos modernos?

A notícia do DN pode ser lida na íntegra
aqui.

1 comentário:

Diogo Oliveira disse...

A flexibilização do despedimento inicia-se aqui...nesta proposta!
É triste ver um governo socialista tomar este tipo de medidas. Entenda-se que quando PS e PSD tentaram aparentemente negociar, negociaram mesmo!! Veja-se o espelho das políticas colocadas em jogo.
Não tenho quaisquer dúvidas de que o próximo Primeiro será Passos Coelho.
Este terá o seu trabalho facilitado, pois estando o PS a tomar este tipo de medidas, Passos Coelho nunca será impopular...conseguiu que as medidas mais sensíveis que teria de adoptar fossem tomadas pelos seus adversários políticos...podendo mais tarde acusar este governo de inércia e incompetência...em suma, Passos Coelho manda fazer, e descarta-se das medidas menos populares que iria de tomar enquanto governante.

Diogo Oliveira
Técnico de Arqueologia
Falso recibo verde
Viana do Castelo