23 novembro 2009

Testemunho: geologia


Deixo esta Carta Aberta ao país, texto de apoio à acção em que entregarei o meu Diploma universitário de licenciado em Geologia, na residência oficial do Sr. Primeiro Ministro, junto com uma garrafa de água poluída (como há 17 anos...)

------

Devolução à Origem... No encerramento do Ano Internacional do Planeta na FIL (e que passou ao lado a/de quase todos)

A Terra não se constrói, creio. É algo um pouco mais complexo que fazer um barraco, por muito estético e resistente que resulte. Entende-se, apreende-se a sua realidade, no nosso próprio interesse. Dominante, ainda segundo nós mesmos...
Amarrar a superstrutura humana e tecnológica ao firme do contexto natural de forma duradoura é vital. E para maior equilíbrio nesse Equilíbrio Maior, faz falta, entre outras, a espécie geólogo.

Uma nação não é um apenas um Território, mas É antes de tudo, as suas gentes.
Quer-se assim um organismo vivo, não um sólido e eternamente frio mausoléu fúnebre, a que se convencionou chamar país.

A Geologia não se confina à tarefa de disponibilizar recursos uma e outra vez, como quem escancara mais um qualquer cofre de tesouro (caixa de Pandora...). Hoje o conceito passa obrigatoriamente por repensar todo o ciclo de vida das matérias-prima, que são antes de tudo Recursos de, e para, todos, naturais, e finitos, pelo que a noção de limite impõe-se e não agrada.

Predomina ainda em Portugal a mentalidade do pequeno país, das pescas e agricultura que falham por falta de dimensão, qualidade… Quando a Questão é, obviamente, a eficiência colectiva, que é pequena. Muita, só mesmo a ganância, parafuso sem fim para mal de muitos de nós, enrolados, trucidados...

O Sistema não mostra coerência nem dá sinais mínimos de confiança ou capacidade de auto-regulação, seguindo-se apenas em acelerado passo as pisadas ultra-liberais e nunca, a fórmula da viabilidade global sustentada pelas boas práticas locais.

É neste quadro que se entende e deve ler a minha caminhada pelo exótico, selvagem e nada virgem mundo laboral nacional.

Fala-se na primeira pessoa, porque tanto as dificuldades macroeconómicas como a irracionalidade de políticas reflectem-se e têm rosto. Falo do “meu” caso, porque é bom falar-se do que se sabe melhor, e se cada um fizer o seu trabalho o conjunto será diferente.

Fala-se deste “caso” porque passaram doze anos já desde a universidade, pública, seis dos quais em pleno desemprego, os restantes em precariedade.

Quantos mais serão precisos para se Mudar pergunto eu! Ou serei eu a ter que mudar, de país? Como se exportar problemas e pessoas fosse Sustentável, Humano...
E vou ao sítio certo colocar essa Questão, encarada ainda como Problema (para quem?!...)

Se se concluir que é antes de arte que se trata, ainda que considerada menor, subsidie-se! Como em tantos outros teatros nacionais...
Se de vinha/olival a compensar mais o arranque... idem!

Há projecto (-lei...) a mais e país concreto a menos, e é desse assalto ao Poder que também se dá conta aqui, bem como das consequências reais que daí advêm.
Uma delas traduz-se no afastamento de profissões percepcionadas como obstáculos numa certa visão do mundo ditada apenas por fórmulas fáceis e lucrativas, progresso gelatinoso e instantâneo transformado em % de PIB.

Traduz-se: há quem não saiba trabalhar com a realidade tal como ela se apresenta, e só deformando-a se acha cómodo, custe o que custar e a quem…

Mais informações aqui.

3 comentários:

Anónimo disse...

Poças, é tudo isto que os senhores fato e gravata que gerem o país e as empresas teimam em negar a existência. Como é possível tamanho desprezo pelo ser humano, pelo cidadão?' Não devia tmabém ser crime? Mata-se as pessoas lentamente. Trata-se da vida das pessoas que se brinca como um pedaço de lata.
Não invejo a tua situação, estamos todos no mesmo barco acredita, mas aplaudo a tua coragem. São palavras que não servem para encher a carteira e o respeito que mereces mas que mais se pode fazer?
Só mesmo isto e acho que deviamos todos apoiar esta atitude e faze-la em massa.

Anónimo disse...

Pára de choramingar e faz pela vida.
Somos mais de 5Milhões cá fora e eu já passei por vários países.

O estado não tem nem deve absorver gajos que fizeram cursos que a sociedade não precisa em Portugal.

Vira-te para outros países. A europa é grande e quer bons profissionais.

Ou o que queres é um tacho numa câmara para nada fazer e ganhar sempre certinho?

João Carlos disse...

Ólha lá ó anónimo!
Deves pensar que se serve tudo pela tua medida... Quem és mesmo?! Um anónimo! Pois...

Grande só mesmo a tua Ignorância, e isso sim ninguém precisa. Não sabes não falas meu caro!


Já estive numa Câmara mas como não sou nem pelintra, nem anónimo, cumpri com o meu Dever e, por isso fui dispensado...

Emigra lá e fica fora...Este país não é para "velhos"...