06 setembro 2009

Testemunho: experimenta design/CocaCola

Todos vocês já devem ter visto na televisão, a última publicidade da Coca-Cola Light. Nesta é pedido aos telespectadores para trocarem um objecto que tenham em casa, por uma Coca-Cola Light. O objectivo desta troca é que estes objectos sejam transformados (recriados) por designers portugueses. Como objectivo desta campanha, estes objectos transformados irão estar numa exposição na Experimenta Design 2009, a realizar agora em Setembro próximo.

Eu fui uma das designers convidadas, juntamente com mais nove designers para recriarmos os tais objectos. Até aqui, tudo bem. O conteúdo deste projecto até parecia bem interessante. Quando confrontei a direcção da Experimentadesign/Coca Cola Light sobre a remuneração/pagamento aos designers pela execução deste trabalho, a resposta como eu diria de um modo simples e rápido: foi mais do mesmo.

Estas entidades no seu ponto de vista acham que os designers já se deveriam sentir lisonjeados por serem convidados e que este convite irá enriquecer o seu curriculo. Ora isto até pode ser verdade....mas não se trata aqui também da prestação de um serviço?

Entidades que nem sequer pagam a produção/materiais dos ditos objectos, deslocações dos designers, etc...etc...etc...Não será isto pedir demais? Terão os designers ainda de pagar para realizar o seu trabalho?

A maioria das pessoas em qualquer área não é paga por realizar trabalho X, para determinada entidade? Pergunto uma vez mais...o que se passa com o design em Portugal? Os designers portuguses não têm valor suficiente para que não possam ser pagos? E não refiram a falta de verba...uma marca internacional como a Coca Cola, que publicitou esta campanha em Televisão, revistas, rádios, etc...não pensou que os designers que iriam recriar os ditos objectos também deveriam ser pagos? Será que foi um lapso de memória? Ou nem se colocou essa questão?

Aquela velha frase que tantos nós já ouvimos " os designers são aqueles tipos que fazem uns bonecos..." Parece que realmente corresponde á perspectiva que estas entidades têm dos designers.

E vendo a questão por outro prisma? Os designers convidados para a campanha também não darão eles por si só ainda mais mérito a esta campanha? Todos os designers convidados não são ilustres desconhecidos do panorama do design nacional. Já deram provas do seu trabalho a nível nacional e internacional. Com toda a certeza que serão uma mais valia para toda esta campanha.

Mais informo que não participarei neste projecto por todas as razões que descrevi acima.


Participar agora no projecto da Coca Cola Light seria ir contra os meus principios.Também penso que cada vez que um designer aceita trabalhar a preço ZERO é também ir contra a nossa classe e pôr em causa o trabalho e o valor da mesma.Penso que assim nos desvalorizámos a nós e ao nosso trabalho enquanto designers.

Design isn´t charity, é trabalho. E todo o trabalho justo deveria ser remunerado.

Seria interessante também percebermos o que se passa nas outras áreas. Gostava de ouvir o vosso feed back, designers ou não designers.

8 comentários:

Anónimo disse...

Sou profissional de saúde a recibos verdes. Se faltar não recebo o dinheiro correspondente a esse dia e arrisco-me a perder o emprego. E agora com esta história da Gripe A, o que é que eu faço?

Anónimo disse...

Olá designer,

Não és só tu. Trabalho em marketing, sou extremamente mal paga e ando a ver outras oportunidades. De facto, todos os dias vejo anúncios para a minha área, o que seria óptimo se cerca de 70% deles não fossem "estágio", "estágio curricular", "estágio não remunerado" ou (na melhor das hipóteses) "estágio IEFP" ou "estágio Inovjovem".

Penso que os profissionais de marketing se deveriam unir e criar algum tipo de organização que lutasse contra este tipo de exploração. Sim, considero os estágios IEFP ou Inovjovem também uma exploração. Não são apoio nenhum ao emprego, porque na maior parte dos casos, mal sai um estagiário, entra outro. Porque haverá uma empresa de contratar um Inovjovem, se por uns trocos por mês recebe outro estagiário...? Deveria haver aqui algum controlo por parte do estado quando atribui esses fundos. Sugiro, por exemplo, que houvesse um limite ao número de estagiários que se possa receber de uma dada área.

Aliás, agora que falei em organização de profissionais de marketing, lembrei-me que se calhar deveríamos era formar um grupo muito maior, que incluísse todas as pessoas com formação superior. Sim, porque nós somos os que têm mais formação e somos os mais explorados, porque somos menos unidos. Quanto mais tempo passa e quanto mais conheço do mundo, mais me convenço disso. Conhecem algum operário fabril, por exemplo, que se disponibilize a fazer horas extraordinárias à borla? Eu não conheço nenhum. Temos o exemplo da Auto-Europa, em que se uniram todos e recusaram. No entanto, licenciados não faltam a trabalhar depois da hora ou a trabalhar à borla, nos chamados "estágios".

Não pretendo com isto denegrir nenhuma profissão nem os não licenciados, mas sim mostrar que nos devemos unir, como os outros se unem.

NÃO AO TRABALHO NÃO REMUNERADO!

Anónimo disse...

mas tavas a espera do q da coca-cola? :)

Kitty * disse...

http://6thnonsense.blogspot.com/search/label/O%20Pai%20Natal%20n%C3%A3o%20existe

Anónimo disse...

Concordo com o comentário anterior...De facto, os licenciados (ou com mais habilitações ao nível do superior, porque os há) são os que engrossam os milhares de 'precários' e de 'explorados' no nosso país.
Eu faço parte desse grupo e também sou de opinião que nos devíamos unir mais.
Também já vi situações desse género...Pessoas muito menos qualificadas (e com instrução) e que, na sua arrogância, ainda se queixam disto e daqueloutro.
Se tivessem de trabalhar horas extra, quando estas nem sequer são pagas e se tivessem de esperar 11 meses para receberem pelo trabalho realizado, como acontece comigo...ou passarem anos e anos a fio sem terem um contrato sem ser a recibos verdes...
E faço parte da dita geração dos trinta e poucos... O que será quando tiver 40, 50 anos...se isto continuar assim.

rui tavares disse...

Também sou designer licenciado. Terminei o meu curso em 2004 e até agora já trabalhei em diversas empresas, sempre com recibos verdes... Nunca tive um único contrato na vida! Nunca tive direito a férias ou subsídios de férias! Tenho trabalhado até nos feriados e fins-de-semana e até tenho feito directas para poder entregar nos dias seguintes os trabalhos prontos para impressão... Ganho apenas 450 euros por mês e bem recentemente fiquei a saber que vou ter de pagar perto de 2000 euros no final do ano só para pagar IRS e Segurança Social! Ainda nem consegui tirar a carta de condução e tão sedo não me imagino a morar sosinho... Até os meus irmãos que deixaram os estudos bem sedo e estão a trabalhar um numas bombas de gasolina e outro numa loja de roupa já moram sosinhos e têm um salário que ultrapassa o dobro do meu... Licenciados, estamos todos condicionados à condição de "Escravos Modernos" nesta sociedade que é Portugal!!

Anónimo disse...

Em 2011 a Experimentadesign volta a não pagar aos seus colaboradores. Quer aos artistas convidados, quer aos voluntários.

Anónimo disse...

Fui eu quem escreveu o último comentário. A Experimentadesign fez-me há dias uma transferência e pagou tudo o que me devia. Concluo que o que se diz de nunca pagarem, não é verdade.