09 novembro 2007

Arquitectos/as e a Ordem

Gostaria, se me é permitido, desmascarar uma situação conhecida por muitos e ignorados por quem não deveria (entidades governamentais e outras).

Os estágios em arquitectura, para acesso à Ordem dos Arquitectos, tal como diz o regulamento “aconselha” a que os mesmos sejam remunerados. O que é facto é que, salvo raras excepções, é que isto acontece. Ou seja regra geral o licenciado acabado de sair da Universidade, faz um estágio que agora pode ser de nove meses, afim de ser depois admitido como membro efectivo da Ordem. Só assim, poderá na sua vida profissional ser autónomo em termos de assinatura de projectos.

Como isto é uma necessidade há sempre muitos jovens licenciados que todos os anos saem às fornadas, prontinhos a fazerem o tal estágio.

Como a Ordem apenas “aconselha” a que o mesmo seja remunerado e o Estado nada faz a esse respeito, os senhores dos ateliers prontamente se propõem a aceitar essas pessoas, que trabalham como outro qualquer trabalhador e nada recebem.

Assim vão sobrevivendo os ateliers, sem despesas a troco de um trabalho de “voluntariado obrigatório”, que está em constante renovação.

Para quê admitir um arquitecto a quem teriam de pagar pelo menos os tais comuns 500€, se o podem fazer de borla.

Ninguém controla, ninguém fiscaliza, ninguém penaliza ninguém.

Resultado não há emprego para os jovens licenciados na área.

Esta situação, que me parece tão ou mais grave que os recibos verdes, existe nesta área profissional e provavelmente em outras.

A desfaçatez é tanta, que não posso evitar de vos transcrever o anúncio que hoje vi no site da ordem:


“Admissão Imediata. Observações: Precisa-se de Licenciado para Estagio Profissional de acesso a Ordem dos Arquitectos, …”

Ou seja, é a mesma coisa que dizer:


“Admissão imediata. Observações: Precisa-se de Licenciado para trabalhar de borla durante nove meses….”

Estes senhores precisam não de um trabalhador na área de arquitectura, mas precisam especificamente de um licenciado para estágio. Porquê? Uma pessoa que tivesse já o estágio feito não serviria para desempenhar as funções? Só um estagiário o sabe fazer? Ou será porque ….???

A Ordem permite que isto seja publicado no seu site, os senhores governantes não querem saber disso para nada, estas situações não são desmascaradas, nem divulgadas nos órgãos de comunicação, apenas chegam a uma ínfima parte da população, e assim se vai vivendo e alguns sobrevivendo nesta linda república à beira mar plantada, que mais parece uma República de Bananas.
Anónima

18 comentários:

Anónimo disse...

Como arquitecta estagiária subscrevo este post... Eu tive a "sorte" de ter um estágio pago (a recibos verdes claro está), mas já fui avisada que no final do estágio, rua!
Não entendo qual é a vantagem dos ateliers terem colaboradores desanimados que só trabalham porque são obrigados a cumprir esta fase para usar o título de arquitecto e não vêem o seu trabalho valorizado. Esforce-me ou não vou para a rua... Hmmm... Vale a pena o esforço?

Anónimo disse...

Infelizmente não é só em Arquitectura... Eu já tive que passar o mesmo na àrea de Design até ganhar juízo e deixei de aturar pseudo-patrões... Comecei a seguir o que realmente gostava.

Nesta terra sobrevive-se a custo zero. Aliás, estive numa entrevista para uma empresa que queria o meu material para produzir conteúdos móveis e de internet, ao que poderão pensar, "boa! atinge muita visibilidade e rentabilidade!"

Desenganem-se... A realidade é esta, pagavam-me 2€ por ilustração que fizesse, 2,5€ por animação... Resultado, isso nem paga sequer o arranque do computador e muito menos a deslocação ao espaço, e tendo em conta que isso é o que o utilizador paga para sacar o determinado conteúdo da net, façam vocês as contas. E mais, só me pagavam a recibo quando atingisse pelo menos 100€, e tendo em conta que cada ilustração demora cerca de 2 dias a ser feita em vector... (a animação 10 dias pelo menos.).


É uma vergonha... Vivemos num estado de sítio em que não se pode produzir decentemente porque não nos dão condições claras para isso. E ainda fazem cara feia quando lhes dizemos que não vale a pena continuar a conversa que a situação não é rentável para quem faz o produto. Como aconteceu nesta situação ainda tive que responder a mesma coisa depois de uma semana receber um mail deles a dizer "ainda não recebemos o seu material de teste, e gostaríamos de sentir que está pelo menos interessado em colaborar conosco".


Há gente que não se manca... E quem tem dinheiro ainda são os que se portam pior.

Anónimo disse...

Como arquitecta, trabalho há 2 anos, depois de um estágio também não remunerado, e sinceramente, ainda não percebo para que serve a "Ordem", se para receber todos os trimestres as cotas que tanto lhe faz falta ou para reabilitar este país que nada faz contra tudo isto. Preferem arquitectos desenhadores a custo zero e uma aprendizagem baseada na observação, do que terem profissionais, interessados na sua aprendizagem pessoal e com vontade de evoluir a ganhar um ordenado "normal", já nem considerando que os "senhores arquitectos" que têm os trabalhos de categoria mais elevada,que deveriam ter vergonha na cara e pagar decentemente às centenas de jovens arquitectos que têm no seu atelier como desenhadores, parte-humana dos computadores..um entra e sai de gente que nem sabem o nome..e dizem nas acções de formação que tem de se trabalhar em equipa..hje pagamos quase para trabalhar com tantos descontos..é uma tristeza ser arquitecto jovem neste país..

Anónimo disse...

Sou mais uma a trabalhar a recibo verde,já ando nesta situação á seis anos sempre á espera que este problema se resolva promessas e nada. trabalho como ajudante familiar num Lar de Idosos na cidade do Porto.

Ricardo Ramalho disse...

As Ordens Profissionais são um sorvedouro de dinheiro com a desculpa de serem o garante de qualidade das ditas profissões...

Acabam por ser uma força de pressão junto do Estado para defenderem os interesses de outros, não aqueles que deveriam defender!...

É triste!

sb disse...

Acabei de terminar o meu estágio, como arquitecta-estagiária, e nao tive este problema porque estou a trabalhar em Inglaterra.
Quando fiz a formacao obrigatória do estágio, o formador disse que ninguém deve aceitar trabalhar gratuitamente! Se todos se recusarem a faze-lo, algo mudará!
Conheco pessoas que comecaram a estagiar e quando souberam que nao iam ser pagas deixaram o atelier; nao desitiram e procuraram até encontrar ateliers que lhes pagassem!

Anónimo disse...

Estatuto da Ordem dos Arquitectos:

Artigo 3º São atribuições da Ordem:
a. Contribuir para a defesa e promoção da arquitectura e zelar pela função social, dignidade e prestígio da profissão de arquitecto (...)

Artigo 44º A profissão de arquitecto pode ser exercida:
a. Por conta própria, como profissional independente ou como empresário em nome individual;
b. Como sócio, administrador ou gerente de uma sociedade de profissionais com actividade no domínio da arquitectura;
c. Como funcionário público ou trabalhador contratado pela administração central, regional ou local;
d. Como assalariado de outro arquitecto ou de outros profissionais, ou de uma pessoa colectiva.

A realidade é que a Ordem dos Arquitectos não zela pela dignidade dos "assalariados de outro arquitecto"...

Quantos assalariados estarão inscritos?
Qual a média de remuneração, feitos os descontos?
Há assalariados nos órgãos da Ordem?
Se não estão representados na Ordem, quem os defende?
Quem zela pela dignidade da profissão do arquitecto?
O Provedor?

Anónimo disse...

Para os engenheiros passa-se quase o mesmo. É uma vergonha nacional que não se valorize quem procurou estudar , e se pague salários de miséria ou NADA a quem quer ter acesso a uma profissão.

reflexos de alma disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
d.insutrial disse...

já consegui encontrar pior anúncio no expresso a alguns meses atrás.
"procura-se designer industrial para estágio profissional nao remunerado. Com dois a três anos de experiência."

Anónimo disse...

Boas pessoal:
Sou desenhador projectista e ao fim d 8 meses d ter concluido o curso consegui arranjar 1 estagio profissional de 9 meses ms felizmente remunerado,dps dos 9 meses n me feita nenhuma oferta sai em dezembro de 2006.voltei para o desemprego fartei-me d enviar curriculos mas a experiencia nao era muita e ninguem aposta na formaçao/evoluçao,finalmente em agosto deste ano arranjei emprego num gabinete de projectos mas a recibos verdes claro,por enquanto e como tou perto da minha area de residencia ainda me compensa mas n sei ate quando,pq a qualquer momento aparece a segurança social e mais nao sei o que pra me "chupar" algns euros.E ainda por cima resido no Alentejo onde o emprego é escasso em tdas as areas infelizmente.vamos fazer 1 esforço e lutar plos nossos direitos.

Anónimo disse...

Esta situação é incrivel, o que se passa é que todos os arquitectos sao obrigados a fazer estagio profissional que por lei nao é obrigatório a remuneração, as entidades vêem aí a oportunidade para colocarem alguem nos seus gabinetes a trabalhar de graça. Mas o pior disto tudo é que o desespero é tanto e os sonhos sao muitos para ficar tanto tempo em casa a pensar quando se começa a fazer a porcaria do estágio, e depois de já ter ido a mais de uma dúzia de entrevistas e todos a oferecerem o mesmo (nada), que nos vemos quase obrigados a ir trabalhar de graça, ou nao tivessemos os pais a dizerem: Não fazes nada o dia todo?..Vê se arranjas qualquer coisa para fazer.
Repletos de ignorancia face a esta situação nao percebem como o mundo do trabalho é para nós, arquitectos e outros, uma utupia.
É ridiculo como a ordem dos arquitectos protege com unhas e dentes os interesses dos gabinetes de arquitectura e desrespeita por completo os jovens licenciados, fomentando o desemprego e criando uma falsa dignidade neste trabalho que tanto apreciamos. Tamos num país de porcaria onde os trabalhadores não são minimamente respeitados e os jovens licenciados sao praticamente desprezados..(quantas vezes já assistimos a situações do empregador a pressionar o estagiario com prazos e que tem que tar tudo direitinho quando nem sequer deviam falar porque tão lá a TRABALHAR DE GRAÇA).Saiu da ordem a Helena Roseta (arquitecta mediocre com muito bons conhecimentos) para vir um que nem ouvimos falar e que parece jogar pela estratégia do "Cala.te e enche os bolsos". Afinal para que pagamos as cotas? Para ter aquela revistinha foleira que nem para esquiços dá?..Vamo-nos juntar e lutar contra isto...estamos a ser humilhados e pior é que toda a gente o aceita..

Anónimo disse...

Estou neste momento a estagiar num gabinete de um conhecido arquitecto
sem qualquer tipo de remuneração, em que são também violados os direitos de co-autoria profissional.Sinto-me triste, por viver num pais como o nosso onde as relações inter-pessoais são o espelho do pais mal amado que temos. Se for um inglês ou alemão estendemos o tapete vermelho e lambemos as botas.

Anónimo disse...

e às fornadas de arquitectos estagiários juntam-se em igual quantidade arquitectos desempregados!
é a triste realidade. não paguem as quotas se não assinam, peçam isenção

Anónimo disse...

ola.o meu marido acabou arquitectura em fev de 2001.foi-se inscrever na ordem.ate hoje nada........recusa-se a fazer estagio e exame.esteve 6 anos a estudar na publica.ele considera e com razao que estao a por em causa o ensino dos profs...trabalha actualmente num gab. em que faz projectos mas nao pode assinar e ganha tannnto 700euros.esta la ha 4 anos.o mais engraçado e que o chefe do gab de arq tem so o 12ºano.esta quase nos 40.empregos? envia no minimo 10 curriculos por dia.o mais engraçado e que conseguiu ha dois anos o ribba e esta inscrito na oa em inglaterra.como conseguiu?bastaram as habilitaçoes dele e nem foi preciso ir a inglaterra.a oa portuguesa esta um pouco baralhada como e que se conseguiu inscrever.mas garanto que foi sem cunhas e sem exames.simplesmente aceitaram.o pior e que metade do susidio de natal vai direito para inglaterra.sente-se frustado e velho para qq emprego.acredito que ele ainda vai conseguir mostrar o que vale.para rir,nao exerce arq. mas o nosso cartao de multibanco diz:arq nuno prelada!e tao bom pagar com ele!apesar de os euros serem poucos.bjs e força para todos.nao se deixem enganar.se tiraram um curso superior e porque vos acharam qualificados para tal...

Anónimo disse...

agora percebo porque portugal é a "REPUBLICA DAS BANANAS"


tenho 15 anos e gostava de ser arquitecto mas depois de ver isto fiquei bastante desmotivado e acho que vou desistir deste "sonho"

Anónimo disse...

olá a todos, Depois de iniciar o curso de arquitectura ja tarde, acabo-o agora aos 32anos e deparo-me com esta situação de TRABALHO PRECÀRIO que todos relatam...Uma coisa tenho certeza...
À custa da desgraça dos outros surge-me a ideia da criação do meu próprio negócio. Vou fundadar o Atelier Explora Estagiários. O funcionamento é simples: contracto estagiários que recebem "népias" e inscrevo-os no iefp para receberem do inovjovem (digno programa que tem sido a salvaçao de muita gente). Ora este programa paga cerca de 150€ ao patrão. Assim, basta eu contratar uns quantos, e basta-me esperar que o dinheiro chegue. Além disso estou a fazer uma boa acção, porque afinal, os estagiários obtêm o tão desejado estágio...
Enfim, obviamente estou a usar de sarcasmo...É uma pouca vergonha nacional que é alimentada por todos. Os estagiários são os grandes culpados que aceitam estas condições de trabalho. è necessária a união para combater esta injustiça!

Anónimo disse...

"A união faz a força"...UNÃO-SE, PROTESTEM, RECUSEM-SE, CONFRONTEM, EXIJÃO...tenham coragem, organizen-se, meios não faltam, e se álguém lançar a bolinha de neve, quanto mais ajudarem a empurar maior ela fica até esmagar a injustiça...internet, jornalistas, tv, radio, msn´s..........................